Estudantes

Capítulo 2 – Como é a faculdade de Psicologia + um pouco do primeiro semestre.

Bom, se você leu a aba Sobre que é onde eu conto a história de como eu fui parar na faculdade de Psicologia (se não leu, aconselho que dê uma lida antes de continuar aqui), sabe que eu me decidi pela faculdade após alguns testes de orientação profissional. A minha primeira opção sempre foi jornalismo, mas devido a restrições de idade e mercado saturado, decidi mesmo pela Psicologia, afinal eu poderia levar adiante a ideia de ajudar as pessoas. E quem sabe, talvez um dia eu poderia até juntar a minha paixão por escrever com a Psicologia, não é?

Decidida a profissão, eu comecei a me organizar financeiramente (tinha muitas dívidas e nem tanta disciplina) e a visitar faculdades para ver a infraestrutura.  Me decidi pelo IBMR (Instituto Brasileiro de Medicina e Reabilitação) ao visitar as outras unidades. Eu já havia começado a psicoterapia (terapia psicológica) lá, conhecia a unidade, algumas pessoas e o local era muito agradável. Fiz o vestibular me achando super inteligente, porém não cheguei nem perto de conseguir uma bolsa de 100%. Apertei mais ainda as finanças e comecei as aulas em março. Enquanto o dia exato não chegava, eu lia o que podia sobre a faculdade. Algumas coisas se mostraram verdadeiras (95% da turma é composta por mulheres) enquanto outras nem tanto (as primeiras aulas são sim importantes, e se você perdê-las, pode ficar bem atrasado).

Enfim havia chegado o primeiro dia de aula. Turma cheia, cerca de 160 pessoas e eu cheguei atrasado usando uma camisa do Patolino com sua célebre frase: você é desprezível

Fizemos as devidas apresentações e começamos a aula de Introdução a Psicologia. Minha rotina era pesada, acordar 4:30 da manhã, sair às 5:30 de casa para chegar na aula segunda às 7:00. Depois tínhamos aula das 7 até 12:15. Da aula para o trabalho e chegava em casa 22:30 para fazer comida, tomar banho, e ajeitar tudo para o dia seguinte. Frequentemente chegava atrasado nessa aula ou então estava muito cansado, mas foram as melhores aulas que já tive na vida.

Matérias e semestre

A faculdade de Psicologia no primeiro semestre era composta de matérias base como neuroanatomia (quais as partes do cérebro, do sistema nervoso, onde ficam e o que fazem), ética (o que podemos ou não podemos fazer na profissão. Aliás, foi nessa aula que descobri que o Código de Ética do psicólogo foi baseado na Declaração Universal dos Direitos Humanos), processos psicológicos básicos (como nossos órgãos dos sentidos recebem os estímulos como luz, som, cheiros e os transformam em sensações), além de antropologia que é uma fascinante matéria, recomendo a todos que leiam livros sobre o assunto, ainda mais em tempos de intolerância ao que é diferente.

Tivemos indicações de maravilhosos livros (que eu vou sugerir adiante), muitas questões de filosofia (que eu tive uma certa dificuldade pois nas escolas que estudei não havia professor  de filosofia) e uma leitura que inicialmente era muito densa. Lembro que em alguns textos, eu usava o dicionário a cada frase, e muitas vezes sofria pois a Psicologia tem seu vocabulário próprio, e isso foi muito confuso para mim no início. Mas ter grandes professores empáticos foi um fator chave para que o conteúdo mesmo que denso, continuasse interessante e não nos fizesse desistir. Foi um semestre intenso, mas com pessoas muito agradáveis (algumas que ainda mantenho contato, outras não) e que me mostraram que eu estava no caminho certo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.