Dinheiro-Finanças

Capítulo 1 – Esse texto não vai te deixar rico, mas talvez mude a sua forma de ver o dinheiro.

É complicado criar conteúdo relacionado a dinheiro e finanças quando você tem centenas de perfis de Facebook, Instagram, Tiktok ou (preencha aqui com a rede social do momento) propagando coisas como: invista na bolsa, invista no tesouro, invista em Bitcoin (fazendo promessas de te deixar rico) quando a maioria das pessoas não compreende nem para onde vai o seu salário do mês.  Diversos motivos são os responsáveis pela falta de dinheiro e oportunidades, mas a ausência de educação financeira é quem sabe a maior delas. Sem educação financeira e disciplina, não importa quanto você ganhe, nunca será o bastante. Já sentiu essa sensação? De tentar de todas as formas juntar dinheiro ou gastar menos, mês após mês, ano após ano e nunca conseguir? Isso não acontece só com você, e vamos falar um pouco sobre uma base que poderá te ajudar a sair dessa situação.

Dinheiro e trabalho

A história do dinheiro e do trabalho é tão antiga quanto a humanidade. Infelizmente não será possível explicar tudo aqui, mas acho que podemos passear um pouco sobre o assunto. Quando nascemos, não temos nada. Viemos ao mundo sem roupas, sem posses e alguns até com dificuldades de saúde. Ao crescermos, alguns possuem mais condições que outros para continuar a jornada como uma casa própria, uma família estável, um veículo ou educação de qualidade. Há ainda os que nascem em famílias mais pobres sem nada disso e precisam trabalhar mais para conseguir oportunidades. Como a maioria das pessoas não tem muito, acaba vendendo a única coisa que possuem para usar como moeda. Sim, vendemos nossa força (bruta ou intelectual) e nossas horas de vida para comprar comida, abrigo ou para comprar coisas que facilitem a nossa vida em comunidade.

Hoje em dia pagamos por aquilo que consumimos e pagamos também impostos além da compra. Temos que pagar por roupas, moradia, água, luz, terra, para nascer e para morrer. Com tantos gastos e consumos, é muito importante que você faça boas escolhas sobre a venda da sua força de trabalho e o destino do seu dinheiro, além de ter disciplina e utilizá-lo de forma sábia. Claro, precisamos trabalhar para poder viver, comer e conquistar as coisas, mas nossa força e tempo são limitados. Não podemos trabalhar para sempre, então antes que seja tarde demais, é preciso utilizar hoje a venda dessa força de uma forma que possa render frutos no futuro.

Nesse futuro, não teremos tanta força para vender e grande parte da população acabará dependendo de programas sociais ou ajuda de familiares. A ideia não é diminuir ou culpabilizar as pessoas que necessitam de tal auxílio, de forma alguma. Muitos brasileiros necessitam de políticas sociais por inúmeras razões (doença, vulnerabilidade social etc) e também é trabalho do estado cuidar do seu povo. Mas contar apenas com a aposentadoria do estado em um futuro distante, pode não ser a melhor ou única opção disponível. Para você ter ideia, podemos ver em capas de jornais dos anos 50, matérias que mostram que o salário dos servidores estava atrasado. Sim, certas coisas nunca mudam.

Estamos em 2021, muita coisa mudou desde a invenção do trabalho remunerado e do dinheiro até hoje. Com a invenção da eletricidade por exemplo, agora trabalhamos também noites e madrugadas. Vieram os aplicativos, a substituição do trabalho artesanal pelo trabalho em massa das fábricas. Sendo otimista, se o futuro nos trouxer uma economia forte, estável, diminuição da pobreza e aumento de empregos, será maravilhoso. Mas como vimos, desde 1950 alguns problemas seguem sem solução. Sabendo disso e sendo realistas, é urgente que utilizemos nossos recursos de uma forma que eles aumentem, dando segurança e estabilidade para os que virão. Você deve conhecer aquela pessoa que gasta tudo o que ganha, sem guardar nada. Também conhece aquela pessoa que nem consegue guardar pois ganha pouco. Bom, tudo começa entendendo essa dinâmica de dinheiro e trabalho e questionando algumas coisas:

Quanto vale a sua força de trabalho? Por quantos anos você ainda consegue vendê-la? E caso amanhã você fique doente, o que acontecerá, já que o estado não consegue cuidar de todos?

A ideia aqui é que você possa entender que as suas ações de hoje como ler esse texto por exemplo podem te ajudar a criar um futuro melhor, onde você poderá ter a sua independência financeira, ou ao menos tomará decisões mais conscientes sobre dinheiro, trabalho e estabilidade. Afinal de contas quanto antes você perceber isso e agir, menos trabalho irá ter amanhã. Não importa a sua idade ou renda, entender isso é um fator chave para que uma mudança ocorra ao longo do tempo. É urgente que o brasileiro comece a pensar melhor sobre o seu salário, ganhos, gastos e sobre o futuro.

Para começar eu vou te dar uma tarefa: Com uma caderneta, uma folha de papel, aplicativo de notas (ou onde der) anote todos os seus gastos por dia. Quanto gasta todos os dias no mercado, na padaria, na passagem, durante um mês. Assim que você fizer um gasto, anote para não esquecer. Ao fim do dia você pode somar quanto gastou e entender para onde o seu dinheiro está indo. Essa simples ação te ajudará a ficar um pouco mais consciente sobre os seus gastos atuais. Depois faça uma comparação de quanto você gastou no mês, quanto ganha e quanto paga de dívidas. Dependendo do resultado, talvez o texto faça sentido e você entenda quanto da sua vida vai dedicar para pagá-lo.

Nos próximo textos da categoria Dinheiro-Finanças , falaremos sobre essas anotações e como elas podem ser úteis. Espero que o texto tenha te ajudado, e caso tenha, compartilhe com pessoas que você acha que podem se beneficiar com ele. Um grande abraço e até a próxima.

5 replies on “Capítulo 1 – Esse texto não vai te deixar rico, mas talvez mude a sua forma de ver o dinheiro.”

    1. Oi Fernanda, obrigado pelo comentário
      Sim, ajuda a refletir sobre muita coisa, desde nossa criação e crenças sobre o dinheiro, até nossas atitudes de impulso 🙂

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.